5.5.07

Quem pintou a Norma?

Para os artistas do Hospital Psiquiátrico de Engenho de Dentro


Que impulsos obscuros que movem tuas mãos?
Qual a cor da tinta que corre em tuas veias?
Que textura é essa que expressam teus olhos?
Quanto de ti tinge a tela?
Quantos de ti tingem a tela?
Que mundos giram em torno de ti?
Com que luz iluminas a terra?
Com que luz iluminas as trevas?
Como colores o cinza?
Com que cinzas que fazes o fogo?
Com que fogo me queimas a alma?
Com que loucura se cria?
Com o que se cria a loucura?
Com que tinta, em que tela, te tingiram louco?
Quem pintou o mundo assim, e não de outra forma?
Qume pintou o mundo e te deixou de fora?
Quem pintou essa tela sem cor, sem forma?
Quem pintou a norma?
Quem pintou a norma?
E se Norma fosse uma bela mulher esculpida pelas mãos de um louco?
E se de tão louco, Norma fugisse à norma e fosse mais bela que a mais bela das belas?
E a ira das menos belas se voltasse contra ela?
Ela seria banida, cercada de muros, teria as mãos amarradas ao corpo para que não pudesse acariciar?
E se ainda assim fosse bela com olhos cheios de luz?
Seria drogada e dopada para mais nada enxergar?
E se ainda restasse um lampejo de vida na estátua esculpida?
E se alguém sugerisse eletrochoque e sua luz virasse trevas?
Será que a Norma se tornaria "normal"?
Ou apenas invisível a olhos nus?
Não habituados a tanta luz?

Um comentário:

dan disse...

Bia!
Exijo sua presença na festa de 1 ano do ratos, nesta quarta!
Beijosss!!